Criatividade

UM NOVO GOVERNO E O MERCADO

O que acontecerá com o mercado imobiliário brasileiro a partir de uma nova administração do País? Aparentemente nada. Financiamentos burocratização sempre oscilam, com ou sem troca de mandatários. O profissional de vendas um corretor imobiliário não é uma commodity Commodities são produtos que funcionam como matéria-prima, produzidos em escala e que podem ser estocados sem perda de qualidade, como petróleo, suco de laranja congelado, boi gordo, café, soja e ouro.Commodity vem do inglês e originalmente tem significado de mercadoria.

O corretor imobiliário é um “agente social” que intermédia negócios financeiros e, com tal habilidade, dinamiza a economia.

Rosenberg Pires adquiriu em seus mais de 35 anos de mercado imobiliário, toda uma expertise nesse mercado e reuniu alguns itens que poderão subsidiar atitudes e competências no trato com os clientes, sejam quais forem às alterações adotadas ou não, pela política econômica oficial. Vejamos o que ele recomenda: Passarmos a ter mais ética uns com os outros!

Qualificarmo-nos mais e mais atendendo as novas exigências mercadológicas.

Adotarmos uma avaliação bem balizada com o real valor de mercado.

Entendermos de documentação Imobiliária tão bem ou até melhor que um Advogado do direito imobiliário.

Exigirmos respeito por nossa profissão em locais pelos quais temos

Relacionamentos, tais como Cartórios de Notas, Cartórios de Registro de Imóveis, repartições públicas federais, estaduais e municipais bem como das nossas entidades de Classe.

Atendermos um cliente com eficiência, eficácia e sinceridade, coerentes com o mercado e o momento econômico ao ponto de orienta-lo pedagogicamente, proporcionando-lhe a confiança de estar realizando um negócio juridicamente perfeito.

Entendermos que a remuneração ou comissão é a última etapa de um complexo e valoroso processo de comercialização de um bem de primeira necessidade. A comissão será uma parte desse processo valorizada pelas.

Tornar-se um especialista em determinado produto e não um generalista. 

Ter Autoconfiança para indicar e ou fazer parceria com outro colega corretor que tenha mais especialização em algum produto com o qual você não trabalha.

Saber indicar ao seu cliente um imóvel que realmente seja um bom investimento para ele, e não um problema.

Divulgar apenas aquilo que realmente lhe foi autorizado anunciar pelo proprietário ou construtor, inclusive o preço.

Encarar sua profissão como promissora e desenvolvedora da economia e não um bico ou uma aventura.

Entender que dificuldades fazem parte do negócio e que pedras no caminho serão retiradas pela persistência, criatividade, relacionamento diplomático, visitas cordiais e muito trabalho.

Valorizar devidamente o construtor e incorporador bem como toda cadeia produtiva da construção civil, maior responsável pela geração do seu emprego e renda.

Compreender que uma comissão recebida não é um salário mensal e que ela deve ser administrada com muito rigor e economia pois ao contrário do que muitos pensam, sua renda anual média não vai lhe permitir uma vida de rico…

E por fim, aceitar críticas construtivas, mesmo que possam contrariar suas ideias. Lembre-se que quem compra um imóvel precisa fechar o negócio para ser considerado “seu cliente”. Só aí ele poderá lhe indicar falando bem ou falando mal, queixando-se de que, o que lhe pagou não valeu o serviço prestado.

Venda o que seu cliente precisa. Isso é novo, sim. Suprir a necessidade, atender a demanda, fazer isso com eficácia, competências é o que estamos dispostos a discutir no mercado contemporâneo. Não é mais talentoso aquele que “vende até casa pegando fogo”, o que significa que alguém pode ter sido ludibriado. Um bom vendedor não permite confundir o serviço que presta, com um estelionato.  O bom vendedor não engana seu cliente. O vendedor é bom quando encanta o cliente, a maneira mais prática e elegante de se alcançar o que se quer; ajudar o outro a conseguir o que ele quer. Você precisa vender, portanto, capacite-se a oferecer o que seu cliente precisa comprar.

REFLEXÕES DE PÁGINA:

“Se o aprendizado não é obrigatório, a sobrevivência também não.” W. Edwards Deming

“A habilidade de aprender mais rápido que outros é provavelmente a única vantagem competitiva realmente sustentável.” Arie de Deus

“Um executivo da era do conhecimento precisa de apenas uma coisa: aprender a aprender.” Peter Drucker

“Cuidado: O comodismo pode fazer você confundir familiaridade com entendimento.”

John Stuart Mills.

LIVRO: Uma imagem, uma ideia um produto, venda o que seu cliente precisa.

AUTORES: Tadeu Nascimento e Rosemberg Pires