Criatividade

SOBRE AS INTELIGÊNCIAS

Nos dicionários da Língua Portuguesa, “Inteligência” significa: capacidade de resolver situações novas com rapidez e êxito e, bem assim, de aprender, para que essas situações possam ser bem resolvidas. Assim podemos dizer que Inteligência é a manifestação do ser humano no ambiente exterior, social, ordenada socialmente, regrada. Quando o ser  humano precisa se fazer entender pelo outro ele realiza ações ordenadas, ou seja, inteligentes.

A inteligência é uma manifestação humana, que entendida por outra pessoa, ganhe contornos éticos e estéticos. Não importa se a manifestação se faça por palavras, por gestos, escritos ou mesmo, internamente, por pensamentos – como a vontade. Um Vendedor tem que ser habilidoso nesse trato.

Howard Gardner desenvolveu a Teoria das Inteligências Múltiplas e, pelo que veremos, poderão nos ser da maior utilidade. Segundo ele, os seres humanos dispõem de graus variados de cada tipo de inteligências e maneiras diferentes com que elas se combinam e organizam; e se utilizam dessas capacidades intelectuais para resolver problemas e criar produtos. Vejamos então:

Lógico-matemática – é a inteligência que determina a habilidade para raciocínio dedutivo, em sistemas matemáticos, em noções de quantidade, além da capacidade para solucionar problemas envolvendo números e demais elementos matemáticos. É a competência mais diretamente associada ao pensamento cientifico, portanto, à ideia tradicional de inteligência. É uma sensibilidade para padrões, ordem e sistematização.

Linguística – manifesta-se na habilidade para lidar criativamente com as palavras nos diferentes níveis da linguagem (semântica, sintaxe). Particularmente notável nos poetas e escritores, é desenvolvida também por oradores, jornalistas, publicitários e vendedores, por exemplo. É a habilidade para usar a linguagem para convencer, agradar, estimular ou transmitir ideias ou opiniões.  inteligência espacial – é a capacidade para perceber o mundo visual e espacial de forma precisa, de manipular formas ou objetos mentalmente e, a partir das percepções, criar e compor uma representação visual ou espacial. A habilidade para pensar em figuras, para perceber o mundo visual mais exatamente e recriá-lo ou alterá-lo na mente ou no papel.

Inteligência sinestésica ou corporal-sinestésica – se refere à habilidade para resolver problemas ou criar produtos através do uso de parte ou de todo o corpo. É a habilidade para usar a coordenação no controle dos movimentos do corpo e na manipulação de objetos com destreza. É a inteligência que se revela como uma especial habilidade para utilizar o próprio corpo de diversas maneiras.

Inteligência interpessoal – pode ser descrita como uma habilidade pare entender e responder adequadamente a temperamentos motivações e desejos de outras pessoas. É a capacidade de uma pessoa dar-se bem com as demais, compreendendo-as, percebendo suas motivações e sabendo como satisfazer suas expectativas emocionais.

Inteligência intrapessoal – é a competência de uma pessoa para conhecer-se e bem consigo mesma. Administrando seus sentimentos e emoções a favor de seus projetos. Enfim, é a capacidade de formar um modelo real de si e utilizá-lo para se conduzir proveitosamente na vida, característica dos indivíduos “bem resolvidos”, como se diz na linguagem popular. Esta inteligência é o correlativo interno da inteligência interpessoal, isto é, a habilidade para ter acesso aos próprios sentimentos, sonhos e ideias, para discriminá-los e lançar mão deles na solução de problemas pessoais.

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL 

Quem teve a oportunidade de iniciar-se como Vendedor numa empresa de maior porte e com projeção no mercado, pode ter sido submetido a algum treinamento e assim, deve ter ouvido algum comentário sobre a importância da Inteligência Emocional para a concretização de um bom negócio.  Deve ter sido ensinado que o sucesso de uma pessoa é avaliado pelo raciocínio lógico e habilidades matemáticas e espaciais – o conhecido, Quociente Intelectual (QI). No presente momento o psicólogo Daniel Goldman, PhD, com seu livro “Inteligência Emocional” nos impõe uma nova discussão sobre o assunto. Ele traz o conceito da Inteligência Emocional como maior responsável pelo sucesso ou insucesso das pessoas em qualquer atividade. Fica óbvio que, se nos negócios de Venda a maioria das situações envolve relacionamentos entre as pessoas, Vendedores com qualidades de relacionamento humano, como afabilidade, compreensão, gentileza, criatividade, percepção e sensibilidade terão mais chances de obter o sucesso.

A Inteligência Emocional está relacionada a habilidades tais como: motivar a si mesmo e persistir mediante frustrações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e ainda por cima, ser Resiliente, favorecendo seu engajamento a objetivos de interesses comuns. Daniel Goldman, em seu livro, mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas de habilidades:

1. Autoconhecimento Emocional – reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre.

2. Controle Emocional – habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação.

3. Automotivação – dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se caminhando sempre em busca.

4. Identificar emoções em outras pessoas.

5. Habilidade em relacionamentos interpessoais.

As três primeiras acima referem-se a Inteligência Intrapessoal. As duas últimas, a Inteligência Interpessoal.

Fonte: Uma imagem, uma ideia, um produto, venda o que seu cliente precisa.

Autores: Tadeu Nascimento e Rosemberg Pires.